Só o ser humano faz Arte

A Arte é mais que expressão pessoal ou uma forma de conhecimento, é um ato de criação e como tal, um ato de Amor.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Elegia amorosa

Sou a água da chuva pela planície verdejante
Tu és o vento norte sobre ela a movimentar
Em ondas verdes e brancas...

Sou as lágrimas lácteas da lua espalhadas sobre o mar
Tu és o olho do falcão acima das falésias
Afirmando a linha do horizonte...

Sou o espinho debaixo do botão de cada rosa rubra
Tu és o milagre do desabrochar das flores
Em suaves e sedosas aberturas...

Meu amor é uma espada desembainhada,
Uma lança pontiaguda banhada em sangue,
Uma escarpa onde escalam pastores
A pastorear negras ovelhas,
Um salmão que sobe o rio gelado
E se entrega em vida aos ovos por nascer...

Teu amor é mais forte que o javali e o touro
Ambos implacáveis em suas determinações vorazes,
O galo determinado e vigilante
Que canta com constância e tenacidade as horas,
Uma onda enorme na beira do cais
Devastadora que arrasta tudo terra adentro...

E ardendo assim em chamas em pleno paraíso
Permaneceremos como estamos
A alma vergada em arco de ferro
Pela brasa que nos consome há séculos...

E então, quero-te em meu ventre sempre verde
Como todos os pinheiros das florestas temperadas e frias
Dançando e balançando ao sabor dos ventos
Subindo como sobem os carneiros
E descendo como descem as águas das chuvas
Deitado sobre mim qual esperança ou mortalha...

Sou o líquido dourado que escorre das colmeias
Tu és o zunir e o aguilhão ardente das abelhas
Num ir e vir constante...

Sou a noite estrelada que cobre a terra com pérolas
Tu és o raiar vermelho e quente da aurora
O meu sorriso, a minha luz.


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Sonho de fadas


 

Sonho com fadas
lanternas acesas
livros enormes fechados que contam
o segredo das fadas
fadas que dançam
fadas que se banham de lua...

Sonho com fadas
como quem vê beija flores
deitada na relva fresca
sonhando com caminhos cheios de heras
caminhos cheios de folhas douradas
e portões,
variados portões entreabertos...

Sonho com fadas escondidas
de olhos enormes
com medos dos olhos humanos
escondidas e protegidas
no meio das frestas escuras das florestas
como borboletas
como folhas
como flores
como copas floridas de imensas árvores...

 
Sonho com mulheres que sonham com as fadas
sonho com mulheres que acreditam nelas
que guardam caixas fechadas
grandes caixas sempre fechadas
e livros pequenos e indevassáveis
mulheres que caminham nas brumas entre seus sonhos
e respiram a umidade fria da terra
e do ar...

Eu sonho com mulheres frágeis.
mulheres de longos cabelos floridos
que guardam segredos nas mechas
de olhares de idas e vindas
e muitos adeuses

Sonho com mulheres que são como as fadas
misteriosas
perdidas nas cidades sem florestas
perdidas no tempo
pelos lugares diversos
que guardam no olhar
o sonho das fadas!
 




Dez 2012

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Domingo de sol

-->
Naquele domingo, o sol amanheceu um pouco mais cedo que de costume, antes das sete, prometendo um dia bem ensolarado e quente. Um desses dias de veranico, fora de hora mas que esquenta de fazer curtir a cabeça de qualquer um, ainda que ande com cobertura e para noite esfrie tanto que sujeito bata o queixo. Germano acordou cedo, se espreguiçou, botou água pra ferver pra cevar um bom chimarrão e foi dar uma olhada nos bichos. Viu que seu Hermano já tava cuidando de tudo, entrou no galpão para dar uma espiada nos seus cavalos. Um quarto de milha baio branco, forte robusto, 1,50m de altura, bom para tudo, para trabalho, para cavalgada, para trote curto e largo... Passou a mão nos pelos dele e disse:
_ É mano velho, acho que vamos dar uma corrida longa hoje... e recebeu um relincho de resposta, ao que Germano entendeu como um sim.
Tava indo ver o outro cavalo, um crioulo alazão, bonito que dava gosto, quando escutou:
_ Seco, ô Seco, corre aqui que eu acho que tá dando bicho nos porcos.
Germano tinha este apelido de tão magro que era. Comia de um tudo muito, mas não engordava nem nos flancos nem no ventre. Seco foi ver a situação e bah, que coisa era aquela agora que tava dando nos pobre dos bichos? Parecia bicheira , mas não era.
_Sei não mano velho, o jeito é buscar o doutor. Eu já ia mesmo para aqueles lados dar uma olhada lá na exposição dos cavalos...
_ Nada, tua ia era ver a prenda, aquela guapa morena.
_Deixa quieto isso, deixa quieto. Vamos que vou encilhar o baio e levo o crioulo na reserva.
Entrou na casa, preparou o mate, tomou umas boas goladas e logo foi colocar a pilcha; vai que realmente encontra a tal prenda que há meses ele tava de olho, pensou enquanto ajeitava guaiaca.Colocou uma faca atrás e outra no cano da bota, só pro precaução.Ajeitou o barbicacho e...
_Tudo pronto? Anda mano, que moleza...
_Calma, Seco, que essa pressa todo não é por causa do doutor, com certeza...
_ Deixa de prosa, que daqui até lá são bem umas 2 léguas se não for mais. Levo 3 horas se for no trote ligeiro, mas não posso puxar muito, senão os bichos ficam secos.
_Secos como você é difícil, e riu do irmão que era sempre muito sério e caladão.
Seco ignorou a menção a magreza dele. Tava preocupado demais com os bichos, com a distância, se ia achar o doutor e também a prenda. Nossa! que domingo, mal tinha levantado pensando em curtir um pouco o veranico, tirar os mofos das chuvas passadas e surgiu um monte de coisa para resolver. _ Eta vida danada, meu deus!
Acertou os pelegos, a sela, amarrou daqui e dali e montou. Eram 8 horas da manhã. Disse para Germário, o irmão de criação dele, nascido na fronteira do Uruguai, que lá para umas duas ou três horas estaria de volta, quem sabe trazendo o doutor, caso ele não bebesse demais na festa, o doutor e não ele.
E se foi.Pegou a estrada de terra e saibro, longa e batida, cercada de capim aqui e ali, muito capoeirão... Olhando de cima do cavalo, bem na direção do horizonte, se via as corcovas da terra, como os contornos de uma mulher deitada de costas... Bonito de ver, pensava Seco e lembrou da guapa, das curva suaves, o tom moreno da pele, o cheiro de mato... As araucárias iam se espichando aquí e ali, as acácias as aroeiras que obrigam um a cumprimentá-las, os angicos, fortes que nem ferro, uma beleza rica, de dar gosto de ver sem pressa. Pelas beiras da estrada se viam as bergamotas cheias, carregadas, laranjais também carregados parecendo árvores rústicas de Natal, verdes com bolas cor de laranja... dava até água na boca. Seco pegou um pouco do cantil e saciou a sede sugerida.
Já tinha andado bem uma légua, e sem mais nem menos desceu uma serração, que ele estranhou. O tempo não esfriava, só um pouquito, mas ficava difícil de enxergar longe. Seco que conhecia bem o caminho, puxou seus cavalos para os cantos da estrada e tomou o caminho de dentro, por entre as fazendas. Puxou um pouco no trote apertado e logo a serração foi se dissipando e ele voltou para estrada. Deu uma parada, para dar água pros cavalos. De repente, quem ele vê? A chinoca,a prenda mais linda que ele já tinha visto e que mexia com ele, mexia todo, abrasava o corpo, amolecia as permas, alterava até a compostura. Resolveu conter-se, fez um aceno de cabeça com o chapéu, porque se caísse na besteira de falar alguma coisa poderia se atrapalhar e cair no ridículo. Mais que rápido montou o baio e largou numa cavalgada ligeira. Mais umas léguas sem pensar em nada chegou na tal exposição. Pequena, mas boa.
Uma belezura, cada alazão cada crioulo, os poneis.... um festival de tons, formas e tamanhos. Tinha boi, vaca, porco. Era o último dia e tinha uma fila de caminhões para embarcar os bichos. Recostado em uma cadeira junto ao Pavilhão de Gado de Corte, o tratador Leonel de 52 anos, contava as horas para pegar a estrada e partir de volta a Alegrete.
_É mais pela canseira”, reclamava. Ele acredita que os animais sofrem menos com o cansaço, - Eles estão acostumados, são animais de feira, muitos até nascem nas feiras e gostam disso tudo”, disse o tratador, que há 12 anos cuida do gado charolês em feiras.
No meio daquele furdunço Seco olhava de um lado para outro procurando o Gregório veterinário...De repente viu ele conversando com o criador de porcos. Caminhou na direção dele já acenando.
Esperou o homem acabar de falar e emendou logo:
_ Seu gregori, os bichos la de casa tão mal.
_ Os cavalos?
_ Não, os porcos, parece que é bicheira ou essa tal de suína. Senhor tem que vir logo.
_ Tá, mas deixa acabar a feira que eu ainda tenho muita consulta. Vai tu na frente e me vai lavando os bichos e separando os que tão mal.
_ Certo seu doutor, já vou pegar a estrada de volta, agora mesmo.
Deu mais uma olhada na feira que estava cheia de prenda também, mas não achou a que seus olhos queriam.Talvez tivesse ficado na calma do campo, apreciando o sol nas coxilhas, ouvindo as saraúnas e os quero quero, sentindo o cheiro da erva que cresce rústica pelas beiradas do caminho...
_ Montou o crioulo, segurou o baio e veio a trote largo, para ver se chegava a tempo de fazer o que o doutor pedira. O tempo mudara, o sol já ficara escaldante e passava das 2 horas da tarde. Bateu uma sede nele e também no bichos. Puxou os cavalo mais para dentro, onde ele sabia que tinha um córrego. Seco olhou, um pe de bergamota carregado. Resolveu tirar umas para saciar a sede e o cansaço da cavalgada. Mal tava chupando uma quando apareceu o dono da propriedade e foi logo gritanto.
_A bergamota tem dono. Se quiser chupar tem que pagar.
-­ Mas tavam caídas no chão, e além do mais não to pegando dúzia, peguei umas 3 só para matar a sede...
_ Comigo não tem essa de três ou trezentos. O que é meu é meu e quem pega paga...
O homem pegou de um facão de mateira e Seco pegou da faca da bota deixando a da guaiaca para reserva.O homem partiu para cima, Seco se esquivou, mais uma investida e Seco evitou o facão. De repente, ele olhou pro lado e viu a chinoca, olhos arregalados, mãos na boca, apavorada, num grito mudo. Quando ele tentou falar com ela, o pai deferiu-lhe o golpe, cortando o braço esquerdo de Seco. Luana, a chinoca, correu na direção de Seco, calada, só olhava...Seco balbuciava, ah chinoca , ah chinoca, como te quero...
Ela , então decidida, se colocou entre o pai e o taura amado e disse. _que mesquinhez, por causa de 3 bergamotas e o senhor com os pés cheios. E agora? Então, ela rasgou um pedaço do avental, amarrou no braço de Seco para estancar e perguntou.
_Fica?
Ele fez menção com a cabeça que não – outro dia disse, so para te ver!
Ela ruborizou e ajudou ele a caminhar até o cavalo. Secou montou, taura que era e foi a trote para casa arrumar as coisas pro doutor
Quando chegou,seu Hermano quase teve um troço. _Que foi isso homem? Com quem tu brigaste na feira? Foi por causa da prenda, aposto!
-Cala boca homem, não foi nada, apenas um entrevero com o dono das bergamotas, aquelas lá do riacho. Parei um instante para dar água pros bichos, peguei umas bergamotas para matar meu cansaço e o homem saiu de facão e tudo... só faltava puxar da arma , se não fosse ela...
_ Sabia, sabia que ela tava no meio. Mulher é fogo, só serve para atazanar o juizo de um bom cristão...
_Para de prosa, que o doutor vem quase chegando. Temo que limpar os bichos, separa os bons dos ruins..
Enquanto falava, quem veio vindo de mansinho?A tal da chinoca, veio suave como cheiro de flor de laranjeira, foi se aproximando, o silêncio dos dois, e ela foi ficando, foi ajudando, foi lavando os porcos, arrumando a casa, lavando a roupa...
Quando se deu da conta, já tinha passado uns meses.
Certo dia o pai veio ver, meio como visita. Olhou a filha barriguda, cumprimentou o Seco e disse: - Minha propriedade é de vocês.Vocês ficam, vocês cuidam e pronto. Dá um qualquer para mim e tá bom. Seco não disse nem que sim nem que não. Não queria aceitar favor de quem quase o matou. Luana se aproximou do pai, deu um longo abraço e disse que sim com a cabeça. Depois perguntou:
_Pai vai para onde?
_ Sei não, vou por estes rincões, quem sabe encontro seu mano... Vou atravessar este Rio Grande, conhecer esta terra tão bonita... Disse e arrancou com o cavalo.
E Seco, Luana e Germário ficaram ali presos que nem angico, sem nem um movimento. Depois cada um foi saindo para sua obrigação. Só Luana falou:
_Depois temos que ir nas terras do pai começa a cuidar, o terreno é bom, tem bergmota à vontade...